segunda-feira, 6 de julho de 2015

Um suspiro

Lembro-me de quando passava em frente à padaria junto com minha mãe, sentia o cheiro de um suspiro vindo do fundo do estabelecimento, puxava a barra de seu vestido e apontava, indicando que deveríamos entrar. Quase sempre conseguia e saíamos com uma caixa do doce maravilhoso que era o suspiro.
Suspiro. Segundo o dicionário: respiração forte e prolongada ocasionada pela dor ou emoção, pode ser também um gemido ou até mesmo um som doce e melodioso, mas para mim, quando criança, era apenas a guloseima mais gostosa do mundo, sentia os pedacinhos de açúcar derreterem em minha língua e eu, ingênua criança, sentia como se estivesse no céu.
Posso até dizer que uma caixa dessa maravilha fazia toda a família se reunir para saborearmos todos juntos. Era um bom momento. Ninguém falando, apenas curtindo a companhia um do outro. Bons tempos...
A família reunida. Como queria que esses momentos acontecessem novamente. Talvez o fato de todos terem tantas coisas para fazer acabou nos separando. Podemos estarna mesma casa, pequena do jeito que é, e ainda ficamos em cômodos separados, cuidando dos próprios problemas, usando o celular, o computador, a televisão...
Será que comprar uma caixa de suspiros hoje em dia teria o mesmo efeito que antigamente? Será que algúm dia vamos voltar a nos reunir como uma família de verdade?
 Hoje em dia, os únicos suspiros que tenho contato são os de respiração forte e prolongada ocasionada pela dor.
                                                                                                                          MT

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Faça a alegria dessa escritora!
Poste um comentário, mas... tenho algumas regrinhas
*nada de xingamentos
*se for criticar, apenas críticas construtivas
*coloque o link do blog para eu poder te visitar
Arigato