segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Pode chorar

Andava lentamente pela calçada, esperando que algo bom acontecesse.  Ao longo do dia eu já havia tido várias crises rápidas de choro, mas nunca tudo era posto para fora.
O pior era que eu não tinha o que falar, na verdade, eu não sabia. Um dom que eu tinha era o de dar bons conselhos ou ajudar alguém com palavras reconfortantes, mas o dom simplesmente desapareceu. Ficou escondido dentro de mim.
Mais um pouco de lágrimas escorreram pelo meu rosto. Sou uma inútil. Nem para reconfortar alguém eu sirvo. Sequei as lágrimas e continuei a andar.
Pouco tempo depois cheguei em casa. Minha mãe ainda estava no sofá, assistindo à TV desligada. Sofrendo em silêncio.
- Estou indo para o quarto. Se precisar é só chamar. - Eu disse.
Ela apenas me olhou, assentiu com a cabeça e voltou para a mesma posição de antes.
Dentro se mim uma voz desesperada dizia que eu precisava ajudar. Mas... Como?
Era um caminho sem volta e minha mãe sofria. Não posso deixá-la assim.
Desci as escadas correndo e senti ao lado dela, esperando que a minha presença ajudasse. Infelizmente de nada adiantou. Pequenas lágrimas ainda saltavam de seu rosto, bem descritas, mas impossíveis de não notar.
Como não aagora o que dizer apenas deitei sua cabeça em meu colo e acariciei seus cabelos. Tínhamos trocado de lugar. Hoje eu era a mãe, mas desta vez a dor é mais forte, não era um término de namoro e sim a morte. A tão temida morte.
- Estarei sempre aqui, te apoiando. Pode chorar, não precisa esconder. -Eu disse.
Então, ela chorou.

2 comentários :

  1. Adorei o texto!!! Chorei mesmo no final...
    Não se esqueça de deixar seu comentário lá no blog!!
    Beijos
    http://www.fashion--and--you.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto
    the-insanegirl.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Faça a alegria dessa escritora!
Poste um comentário, mas... tenho algumas regrinhas
*nada de xingamentos
*se for criticar, apenas críticas construtivas
*coloque o link do blog para eu poder te visitar
Arigato